Padre Pio 'Impedido de obter um milagre' que desejava!



Pedro Cugino (“Pietruccio”) nasceu em 1913, parece que em San Giovanni Rotondo mesmo. Nasceu com visão perfeita e, aos 12 anos de idade, tornou-se repentinamente cego.
Sabemos que Padre Pio, desde 1916, passara a morar no convento de San Giovanni Rotondo, onde exerceu o seu fecundíssimo apostolado por mais de 50 anos, até a sua morte que ocorreu em 23 de setembro de 1968. “Pietruccio” freqüentava o Santuário de Nossa Senhora das Graças e, depois dos 12 anos de idade, com seus olhos aparentemente perdidos no espaço, contemplava o invisível. Enquanto a saúde lho permitiu, nunca faltou à Missa diária e para ele não havia Missa sem Comunhão. Seus encontros com Padre Pio eram freqüentes e se tornou um dos seus filhos espirituais mais autênticos.
Apesar de cego, procurava ser sempre útil e diariamente cumpria na cidade as tarefas que lhe confiavam. À noite ele jantava no refeitório do convento e Padre Pio estimulava-o: “Come, come, Pietrù!”
Um certo dia, Padre Pio perguntou-lhe: - “ Pietrù, desejaste alguma vez recobrar a vista?”

A resposta inocente: “Nunca pensei nisto...”
O Frade insistiu: “Quererias recuperá-la?”
E a resposta foi desconcertante: “Não sei o que responder”.
Padre Pio voltou a insistir, acrescentando: “Se queres, rezamos a Nossa Senhora, que é tão boa e muito poderosa junto ao coração do seu Filho Jesus...”
Nestas alturas a resposta brotou muito mais profunda: “Padre, eu nasci com a visão perfeita. Em chegando aos 12 anos de idade, o Senhor ma tirou. Se o Senhor me tirou a visão, teve os seus motivos. Agora, porque rezar contra a vontade de Deus? Porque pedir o que antes me deu e depois me tirou?”
Era uma resposta difícil de entender para a gente comum, mas não para Padre Pio, que, para ter plena certeza de haver entendido corretamente, perguntou ainda: “Queres ou não queres a visão?”
Pietruccio tornou-se ainda mais explícito: “Padre, Deus sabe o que faz. Eu quero fazer sempre a vontade de Deus. Se o Senhor me restituísse a visão e esta devesse tornar-se para mim ocasião de pecado, renuncio”.

Padre Pio compreendeu então que aquele homem enxergava muito melhor do que os dotados da melhor visão humana. Pietruccio enxergava com os olhos da fé. Comovido, Padre Pio abraçou-o e abençoou-o.
Pietruccio , no dia 31 de março de 2005, recebeu do Padre Pio, lá no céu, o mesmo abraço de então, agora com os seus olhos bem iluminados por uma nova luz, uma luz de esplendor não concedido a nenhum olho humano na terra, uma luz que jamais se apagará. Para a Eternidade.

Que percepção tinha Pietruccio dos verdadeiros valores e que coerência demonstrou ! Dessa vez o “milagre” saiu a gosto de Pìetruccio mais do que a desejo do Padre Pio ! Pietro Cugino nos ensina como devemos nos portar diante de Deus, ao fazermos nossos pedidos, até de milagres. A oração é infalível (“Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, acha; e ao que bate, se abrirá” – Lc 11,9-10), mas somente Deus sabe o que, em qualquer situação, nos convém de verdade.


Fonte: VOCE DI PADRE PIO, Luglio-agosto 2005, p 78s – Adaptado por Pe.Bernardino Trevisan